Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/MSMR-7VWN5X
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Rosana Ferreira Sampaiopt_BR
dc.contributor.advisor-co1Leani Souza Maximo Pereirapt_BR
dc.contributor.referee1Sergio Teixeira da Fonsecapt_BR
dc.contributor.referee2Helenice Jane Cote Gil Courypt_BR
dc.creatorMarcus Alessandro de Alcantarapt_BR
dc.date.accessioned2019-08-11T16:05:05Z-
dc.date.available2019-08-11T16:05:05Z-
dc.date.issued2008-03-04pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1843/MSMR-7VWN5X-
dc.description.abstractSeveral studies have pointed an interaction among physical and psychosocial factors to explain the occurrence of disability. Under such conceptual framework, pain beliefs and attitude are described as important predictors of disability associated with chronic pain. However, characterization of the influence of these variables on the relation between pain and disability in workers is still not fully explored. The objective of this study was to test the hypothesis that pain beliefs and attitude are mediators of physical disability in a population of workers with chronic pain developed by Work Related Musculoskeletal Disorder (WRMD). A sample of 115 subjects answered a survey including information on multidimensional pain evaluation, pain beliefs and attitudes, disability, depression, socio-demographic and clinical data. The test of mediator effect, proposed by Baron & Kenny, was applied. The results confirmed the hypothesis that pain beliefs and attitudes are partial mediators of the relation between pain and disability (R2 = 0.36). Depression was also positively associated in the outcome, confirming results from other studies that pointed this variable as an important risk factor for disability (R2 = 0.50). Pain is a stressor agent, which results in negative consequences in ones life, acting over the physical, psychological and social domains. Psychological factors, as depression, can affect the perception of pain and functional performance. The unpredictability of the progression in the cases of chronic pain may reinforce negative emotions, leading to additional disability through a vicious circle. Indeed, it is necessary that rehabilitation professionals and clinicians are able to detect the most negative beliefs, depressive humor, limited social support and offer intervention that are in accordance with the needs of each patient, emphasizing his/her functioning.pt_BR
dc.description.resumoDiversos estudos apontam uma interação entre fatores físicos e psicossociais para explicar a ocorrência de incapacidade. Nesse contexto, as crenças e atitudes frente à dor são descritas como importantes preditores de incapacidade associada à dor crônica. Entretanto, a caracterização da influência dessas variáveis na relação entre dor e incapacidade em trabalhadores permanece pouco explorada. O objetivo deste estudo foi testar a hipótese de que as crenças e atitudes frente à dor são mediadores de incapacidade física numa população de trabalhadores com dor crônica resultante de Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Uma amostra de 115 participantes respondeu a questionários com informações sobre avaliação multidimensional de dor, crenças e atitudes frente à dor, incapacidade, depressão e dados sociodemográficos e clínicos. Foi aplicado o teste de efeito mediador proposto por Baron & Kenny. Os resultados confirmaram a hipótese de que as crenças e atitudes frente à dor são mediadores parciais da relação entre dor e incapacidade (R2 = 0.36). A depressão também se associou positivamente com o desfecho, confirmando os resultados de outros estudos que apontaram essa variável como um importante fator de risco para incapacidade (R2 = 0.50). A dor é um agente estressor que gera conseqüências negativas na vida de uma pessoa, atuando sobre os domínios físicos, psicológicos, bem como, em sua vida social. Em conjunto, fatores psicológicos, como a depressão, podem interferir na percepção da dor e desempenho funcional e a imprevisibilidade da evolução nos casos de dor crônica pode reforçar os estados emocionais negativos, gerando incapacidade adicional através de um ciclo vicioso. Com isso, é necessário que clínicos e profissionais de reabilitação estejam aptos a identificar crenças mais negativas, humor depressivo, limitada rede de suporte social e oferecer uma intervenção contextualizada às necessidades de cada paciente, priorizando sua funcionalidade.pt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de Minas Geraispt_BR
dc.publisher.initialsUFMGpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectDepressãopt_BR
dc.subjectDorpt_BR
dc.subjectFatores cognitivospt_BR
dc.subjectDor crônicapt_BR
dc.subjectLesões por esforços repetitivospt_BR
dc.subjectBiopsicossocialpt_BR
dc.subjectFfuncionalidadept_BR
dc.subject.otherDor Aspectos psicológicospt_BR
dc.subject.otherDepressãopt_BR
dc.subject.otherMedicina de reabilitaçãopt_BR
dc.subject.otherDor intratávelpt_BR
dc.subject.otherCogniçãopt_BR
dc.subject.otherLesões por esforços repetitivospt_BR
dc.titleO efeito mediador das crenças e atitudes frente a dor na relação entre dor crônica e incapacidade em trabalhadores com LERpt_BR
dc.typeDissertação de Mestradopt_BR
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
marcus_alessandro_de_alc_ntara.pdf1.11 MBAdobe PDFView/Open
marcus_alessandro_de_alc_ntara.pdf1.11 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.