Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/30517
Type: Monografia
Title: Efeitos do fortalecimento muscular do quadril e tronco sobre a postura da pelve e membros inferiores,considerando o torque passivo prévio do quadril -estudo experimental
Authors: Arthur Tavares Arco Verde
First Advisor: Aline de Castro Cruz
First Co-advisor: Thales Rezende de Souza
First Referee: Aline de Castro Cruz
Abstract: Introdução: O fortalecimento muscular do quadril e do tronco é capaz de aumentar o torque passivo dessa articulação e da região lombopélvica devido às alterações teciduais que ocorrem no sistema musculoesquelético. Dessa forma, essas alterações teciduais podem refletir em modificações da postura ortostática da pelve e MMII, podendo ser influenciadas por fatores biomecânicos como, por exemplo, o torque passivo prévio do quadril.Objetivo: Portanto, o objetivo deste estudo foi investigar a influência do torque passivo prévio do quadril sobre possíveis mudanças na postura da pelve e dos MMII após um programa de fortalecimento de músculos do quadril e do tronco. Metodologia: Foi realizado um estudo com 53 mulheres, divididas em grupos intervenção e controle, e em subgrupos com maiores e menores valores de torque prévio do quadril. O grupo controle (n=27) foi orientado a não alterar as atividades habituais, enquanto o grupo intervenção (n=26) realizou o programa de fortalecimento muscular do quadril e tronco. Foram avaliados, antes e após o fortalecimento, os dados cinemáticos da pelve membros inferiores na postura ortostática e a medida clínica de torque passivo do quadril. Resultados: Não foram identificadas diferenças significativas entre os subgrupos, para as variáveis de interesse. Portanto, a magnitude do torque passivo prévio do quadril não foi uma característica que influenciou nos efeitos do fortalecimento do quadril e do tronco sobre o próprio torque passivo e sobre a postura da pelve e dos MMII.Embora não tenha sido encontrado influência, alguns fatores devem ser levados em consideração: os efeitos sobre alterações posturais da pelve e dos MMII podem ser influenciados não só pelo nível de torque passivo prévio do quadril, mas também devido à existência de outros fatores biomecânicos, como o alinhamento do complexo tornozelo-pé. Além disso, fatores como o tempo de realização do fortalecimento, a amplitude de movimento utilizada e as características não funcionais dos exercícios selecionados podem ter influenciados sobre ausência de diferença entre as subgrupos. Conclusão: O torque passivo prévio do quadril não influenciou os efeitos do fortalecimento muscular do quadril e do tronco sobre o torque passivo do quadril e sobre a postura da pelve e dos MMII. Mulheres com maior ou menor torque passivo prévio do quadril não apresentaram diferentes ganhos de torque passivo e, portanto, não foi observada mudança na postura da pelve e do quadril de forma diferente para essessubgrupos.
Abstract: Introduction: The muscular strengthening of the hip and trunk is able to increase the passive torque of this joint and the lumbopelvic region due to the tissue changes that occur in the musculoskeletal system. Thus, these tissue changes may reflect changes in orthostatic posture of the pelvis and MMII, and may be influenced by biomechanical factors such as, for example, the previous passive torque of the hip. Objective: Therefore, the objective of this study was to investigate the influence of previous passive hip torque on possible changes in pelvis and lower limb posture following a hip and trunk muscle strengthening program. Methods: A study was conducted with 53 women, divided into intervention and control groups, and in subgroups with higher and lower values of previous hip torque. The control group (n = 27) was instructed not to change their usual activities, while the intervention group (n = 26) performed the hip and trunk muscle strengthening program. The kinematics of the lower limb pelvis in the orthostatic posture and the clinical measure of passive torque of the hip were evaluated before and after the strengthening. Results: No significant differences between the subgroups were identified for the variables of interest. Therefore, the magnitude of the previous passive torque of the hip was not a characteristic that influenced the effects of hip and trunk strengthening on the passive torque itself and on the posture of the pelvis and lower limbs. Although no influence was found, some factors should be taken into account: effects on postural changes in the pelvis and lower limbs may be influenced not only by the previous passive torque level of the hip, but also due to the existence of other biomechanical factors such as ankle-foot alignment. In addition, factors such as the time of strengthening, the range of motion used and the non-functional characteristics of the selected exercises may have influenced the absence of difference between the subgroups. Conclusion: The previous passive torque of the hip did not influence the effects of hip and trunk muscle strengthening on the passive hip torque and on the posture of the pelvis and lower limbs. Women with greater or lesser passive anterior hip torque did not present different passive torque gains and, therefore, no change in pelvic and hip posture was observed differentlyfor these subgroups.
language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
Publisher Initials: UFMG
metadata.dc.publisher.department: EEFFTO - ESCOLA DE EDUCAÇÃO FISICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL
metadata.dc.publisher.program: Curso de Especialização em Avanços Clínicos em Fisioterapia
Rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/30517
Issue Date: 6-Jul-2019
Appears in Collections:Especialização em Avanços Clínicos em Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA ESPORTIVA 2019.pdfAberto421.96 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.