Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-9FTEW2
metadata.dc.type: Monografias de Especialização
Title: Interações das crianças de quatro anos no ambiente da sala de atividades: possibilidades e desafios
metadata.dc.creator: Cristiane Diniz Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor1: Rogerio Correia da Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Cecilia Vieira do Nascimento
metadata.dc.description.resumo: A presente pesquisa foi desenvolvida no intuito de investigar como a organização do espaço da sala de atividades influencia as interações das crianças de uma turma de quatro anos do CEMEI Bom Jesus em Contagem e propor mudanças na organização do ambiente da sala de atividades para que se torne mais desafiador e promova mais autonomia para as crianças, visando ampliar as possibilidades de interações e aprendizagens. O espaço não é neutro, ele é socialmente construído e fruto das interações realizadas pelos atores que atuam no contexto da educação infantil. Desse modo, o ambiente interfere diretamente no processo de aprendizagem das crianças, podendo promover ou inibir o seu desenvolvimento, pois ajuda a organizar as funções motoras, sensoriais, simbólicas, lúdicas e relacionais. Podemos inferir por meio dessa ideia que o espaço é um mediador, um educador, interlocutor, ele pode desafiar, instigar as crianças ao movimento, a produção de linguagens, possibilitar e contribuir para vivências e expressão de culturas infantis, jogos, brincadeiras e promover autonomia. O objetivo desta pesquisa é analisar como as crianças de 4 anos do CEMEI Bom Jesus interagem no ambiente da sala de atividades e verificar como a mudança do espaço físico da sala de atividades pode interferir nas interações das crianças com o espaço, materiais e nas relações das pessoas: criança/criança e criança/adulto. O processo de construção e análise dos dados ocorreu em três etapas: diagnóstico da realidade, intervenção no espaço físico da sala e verificação das mudanças ocasionadas após a intervenção. Baseando-se na abordagem qualitativa, utilizou-se de diversos instrumentos de coleta de dados como: observações, entrevistas e conversas com as professoras que atuam na turma, conversas com as crianças, desenhos das crianças, fotos, e filmagens. Além da contribuição dos principais autores que embasaram esta pesquisa como Froëbel, Montessori, Zabalza e Fornero, Vygotzky, Wallon, Loris Malaguzzi, entre outros. Constatou-se que a forma como o espaço da sala de atividades estava organizado, principalmente o fato de o espaço estar quase todo tomado por mesas e cadeiras, a falta de materiais variados em quantidade suficiente e acessíveis às crianças, o estado precário de conservação do ambiente e materiais, a falta de autonomia e a impossibilidade de movimentação causada pelo espaço pequeno e rígido, inibe as interações sociais e acabam dando testemunho de uma concepção de criança passiva, que induz o professor a práticas adultocêntricas. Pode-se concluir que a nova organização da sala de atividades, mudou a dinâmica e a prática pedagógica das professoras que se mostraram mais flexíveis e sensíveis à escuta das crianças, tornando assim as atividades propostas muito mais significativas e enriquecedoras para elas, permitindo que façam escolhas tornando-se protagonistas do seu processo de aprendizagem, que ocupem os espaços de forma mais livre e espontânea e aumentando as possibilidades de interações entre as crianças. O espaço se tornou o outro educador, proporcionando a professora que auxilie as crianças que apresentam maior dificuldade ou necessitam de um tempo maior para concluí-las. As mudanças foram muito significativas, principalmente na construção da autonomia das crianças. Ter à disposição diversos materiais também permitiu à professora variar e trocar as atividades de acordo com a manifestação e interesse das crianças, tornando a rotina mais flexível.
Abstract: This research was conducted to investigate how the organization of space activities room influences interactions in a class of childrens with four year old to CEMEI Bom Jesus, in Contagem city, Minas Gerais state, and propose changes in the organization of the room activities environment to become more challenging and promotes greater autonomy for children, aiming to expand the possibilities of interactions and learning. Space is not neutral it is socially constructed and is the result of interactions performed by actors who act in the context of early childhood education. Thus, the environment directly affects the learning process of children and can promote or inhibit the development, because it helps organize the motor, sensory, symbolic, recreational and relational functions. We can infer through this idea that space is a mediator, an educator, speaker, it can challenge, instigating children to move the production of the languages to facilitate and contribute experiences and expression of children's culture, games, jokes and promoting autonomy. The objective of this research is to analyze how children with 4 years old of Bom Jesus CEMEI interact in the environment of the activity room and see how changing the physical space of the room activities may interfere with children's interactions with space, materials and relationships of people: child / child and child / adult. The construction process and data analysis took place in three stages: diagnosis of reality, intervention in the physical space of the room and check the changes brought about after the intervention. Based on the qualitative approach, we used various instruments to data collect such as observations, interviews and conversations with teachers working in class, conversations with children´s, children's drawings, pictures, and movies. In addition to the contribution of the main authors that supported this research as Froebel, Montessori, Zabalza and Fornero, Vygotzky, Wallon, Loris Malaguzzi, among others . It was discovery that the way the room activities space was organized, especially the fact that the space is almost entirely taken up by tables and chairs, lack of varied materials in sufficient quantity and accessible to children´s, the precarious state of conservation environment and materials, lack of autonomy and the impossibility of movement caused by the small and hard space, inhibits social interactions and end up witnessing a passive conception of the child, which induces the teacher to practice turned to adults. We can be concluded that the new organizations activities room, changed the dynamics and pedagogical practices, when them the teachers showed more flexible and responsive to listening to children´s and thus making the proposed activities more meaningful and enriching for them, allowing them to make choices becoming protagonists of their learning process, who occupy the spaces more freely and spontaneously and increasing the possibilities of interactions among children´s. The space became another teacher, providing the true teacher to assist children who are more difficult or require more time to complete them. The changes were very significant, especially in the construction of children's autonomy. To have several materials available also brought the possibility of listening to the needs of children´s, enabling the exchange activities according to their interest and manifestation, making the routine more flexible.
metadata.dc.subject.other: Educação
Educação pre-escolar
Interação social
Ambiente de sala de aula
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-9FTEW2
Issue Date: 30-Nov-2013
Appears in Collections:Especialização em Docência na Educação Infantil

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
monografia_cristiane_vers_o_final.pdf1.11 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.