Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-A8ZLV7
Type: Tese de Doutorado
Title: "Pequeno nada": uma leitura psicanalítica da perda gestacional de repetição na medicina reprodutiva
Authors: Marcia Aparecida de Abreu Fonseca
First Advisor: Angela Maria Resende Vorcaro
First Referee: Jacqueline de Oliveira Moreira
Second Referee: Fernando Marcos dos Reis
Third Referee: Cristiane de Freitas Cunha
Abstract: A tese foi motivada pela prática clínica da autora como psicóloga em uma equipe de medicina reprodutiva, território fértil em projetos subjetivos, implicando construções do feminino, da maternidade e da família. Apresenta uma leitura psicanalítica da Perda Gestacional de Repetição (PGR), que leva as mulheres assim diagnosticadas a serem acompanhadas na medicina reprodutiva com a assistência afetiva e personalizada do Tender Loving Care (TLC), recomendada pela Medicina Baseada em Evidências (MBE). Realizamos uma pesquisa qualitativa descritivo-exploratória no Laboratório de Reprodução Humana Aroldo Fernando Camargos do Hospital das Clínicas da UFMG, que consistiu em seis entrevistas semidirigidas, gravadas e transcritas, sendo que três delas foram direcionadas aos profissionais e três às pacientes com PGR sem causa orgânica aparente. Uma dessas pacientes iniciou atendimento psicológico e permaneceu até o término da pesquisa. Foi utilizado na análise das entrevistas e dos registros dos atendimentos o método freudiano de leitura proposto por Miller (2015), que se serve dos operadores de redução (repetição, convergência e evitação). O foco não foi numa hipotética doença que causaria PGR, mas no mal-estar psíquico desse campo, onde entra em jogo o desejo e a angústia, tanto de cada paciente em particular, quanto dos profissionais que se esforçam em cumprir o imperativo de satisfazer a demanda. Com a medicina reprodutiva, a procriação se separou do sexo e tornou explícito que o desejo de gravidez não traduz ou não equivale ao desejo de ter um filho. A fragmentação multifacetada presente na maternidade caminha lado a lado com essa dificuldade de lidar com o ser mulher, que não se consegue fazer representar tanto para as mulheres como para os homens. Nas mulheres isso é estrutural, tenham elas conseguido ou não dar à luz e acolher uma criança como filho, em parceria ou não com a ciência. Nossa hipótese considerava, portanto, que a condição permanente de incompletude ou inconsistência do significante feminino colocaria a maternidade ocupando, nas mulheres, o lugar idealizado de obturação da falta feminina. Ao investigar o impossível de representar da maternidade, nossa leitura destacou o papel que um filho pode ocupar na economia libidinal de uma mulher. Tal como a morte ou o feminino, o termo procriação não possui representação para o ser falante. Ser mãe não recobre o ser mulher e a busca por tamponar com o filho o impossível de representar favorece uma posição de excessos. A maternidade pode apaziguar incertezas sobre a feminilidade, mas não há mãe sem a mulher, e esta última carreia os efeitos de semblante ou de incompletude de forma particular. O sucesso da abordagem do TLC articula-se aos efeitos de se escutar mais as pacientes e seus pequenos nadas, o que franqueia a presença e a incidência da singularidade subjetiva na técnica, não permitindo sua replicação. Entretanto, com o TLC, há o risco de se manter o circuito mortífero de repetição das perdas para algumas pacientes. Por isso é importante que haja um psicanalista na interface com a medicina, pois tal contribuição possui um caráter ético e configura-se um pequeno nada, que é o de apontar e sustentar o lugar da singularidade e da angústia junto a uma equipe.
Abstract: This thesis was motivated by the authors clinical practice as a psychologist in a reproductive medicine team, a fertile ground for subjective projects, which lead to the creation of femininity, motherhood and family concepts. It presents a psychoanalytical approach of Recurrent Pregnancy Loss (RPL) that leads women with this diagnosis to follow a personalized assistance including a personalized support of Tender Loving Care (TLC), recommended by Evidence-based Medicine (EBM). A qualitative descriptive-exploratory research was developed in the Aroldo Fernando Camargos Human Reproduction Laboratory at Hospital das Clínicas of UFMG, which consisted of six recorded and transcribed semi-structured interviews, being three of them directed to the professionals and three directed to the patients with RPL, but without an apparent organic cause. One of these patients started psychological assistance and remained until the ending of the research. The interviews and the psychological session notes were analyzed, considering the Freudian interpretation method proposed by Miller (2015), based on the approach-avoidance conflicts theory (repetition, convergence and avoidance). The focus was rather a hypothetical disease that could cause RPL, than the psychological discontent in this field, where the desire and the anguish comes into play for each individual patient as well as for the professionals who strive to accomplish the demands of the patients as well. With the reproductive medicine, procreation was separated from sex and it has become explicit that the desire of pregnancy does not translate or is not equal to the desire of having a child. The multifaceted fragmentation present in motherhood walks alongside with the difficulty to deal with being a woman, which cannot be represented neither for women nor for men. For women it is structural, having them been able or not to conceive and take a child as a son/daughter, with or without science help. Therefore, our hypothesis considered that the permanent condition of incompleteness or inconsistency of the feminine signifier would place motherhood, for women, as an idealized position of filling the feminine lack. When investigating the motherhood impossibility of representation, our study pointed out to the role that a son can occupy in the libidinal economy of a woman. Being it related to death or the feminine, the term procreation does not have a representation for the speaking being. Being a mother does not cover being a woman and the search for disguise the impossibility of representation with a son benefits a position of excesses. Motherhood can appease uncertainties about femininity, but there is not a mother without a woman, and the later adduced the effects of semblance or incompleteness in a particular way. The success of the TLC approach is related to the effects of listening to the patients and their "little nothing", which allows the presence and the incidence of a subjective approach of the technique, not allowing its replication. Nevertheless, with TLC, there is a risk of maintaining the deathly circuit of pregnancy loss for some patients. For that reason the interface between psychoanalysis and medicine is important, as a psychoanalyst can offer an ethical quality contribution, that is, he/she can contribute to this "little nothing", by pointing out and sustaining the place of singularity and anguish within the team.
Subject: Psicanálise
Medicina do comportamento
Cônjuges/psicologia
Infertilidade masculina/psicologia
Infertilidade feminina/psicologia
Maternidade
Psicologia
language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
Publisher Initials: UFMG
Rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-A8ZLV7
Issue Date: 29-Feb-2016
Appears in Collections:Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
m_rcia_tese_finalcompleta2016.pdf926.7 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

Admin Tools