Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-AU3L4W
Type: Dissertação de Mestrado
Title: O vir-a-ser sujeito: questões preliminares ao estudo das graves psicopatologias dainfância
Authors: Alice Oliveira Rezende
First Advisor: Angela Maria Resende Vorcaro
First Referee: Marcia Maria Rosa Vieira
Second Referee: Ariana Lucero
Abstract: A presente dissertação objetiva investigar alguns aspectos da constituição subjetiva, a partir de nossa hipótese, baseada na perspectiva lacaniana, da aquisição da criança pela linguagem. Procuramos esclarecer determinadas nuances da clínica de crianças em risco de subjetivação, denominada genericamente por psicopatologias graves da infância. Ao nos aproximarmos dos processos que engendram as emissões falantes do infans, cernimos os primeiros modos de testemunhar seu afetamento pela linguagem. Pesquisamos na obra de Freud sua concepção quanto às gênesis da relação entre o neonato e a linguagem. Constatamos, então, que o pai da psicanálise nos permitiria supor que, embora submerso no campo simbólico, o infans não dispõe inicialmente de um aparelho psíquico que lhe possibilite discretizar, articular e registrar as unidades da língua em conformidade com à língua partilhada. Ao considerarmos, com Lacan, que a linguagem é inoculada pelo Outro primordial, perscrutamos os momentos lógicos de gozo, angústia e desejo atravessados pela criança desde a relação transitivista até os momentos de extração dos objetos pulsionais (objetos a: oral, anal, olhar e voz). Alinhavamos, ainda, o espectro de incidência da falta de satisfação, constitutivo do sujeito: privação (real), frustração (imaginário) e castração (simbólico). Supomos, então, que, primeiramente, o sujeito seria apreendido por um bloco sonoro privilegiado singularmente pormeio de uma fruição de gozo, sem operar ainda nenhuma função de comunicação. A este modo de funcionamento inaugural, Freud designou como prazer do nonsense, no qual a assonância prepondera. Trata-se da primeira intervenção da linguagem estabelecida por Lacan no termo lalíngua, puro nonsense. Como equívoco original, lalíngua repercutirá em todas as formas do dizer, configurando o mal entendido estrutural entre os falantes. Ademais, a noção de holófrase foi utilizada por Lacan, para designar os empilhamentos significantes congelados, isto é, não discretizados. Lalíngua e holófrase abarcam modos de verbalizar das crianças que, a despeito de ainda situarem-se externamente ao discurso, atestam modos de ressonância da linguagem no corpo. Furando ou comprimindo a cadeia significante, ambas as vocalizações revelam uma extensão simbólica em que o sujeito pode transitar. Por fim, pondera-se que ao reconhecermos, em nossas operações clínicas, as bordas e as franjas que testemunham a ressonância da linguagem no sujeito, o objeto voz está em jogo. Encontraríamos, assim, modalizações passíveis de desdobrar alguma distância entre linguagem e sujeito, afastamento indispensável para que o sujeito possa mediar, com a linguagem, a orientação de seu desejo.
Abstract: Abstract: The present dissertation aims to investigate some aspects of the subjective constitution from our hypothesis, based on the Lacanian perspective, of the acquisition of the child by language. We intended to clarify certain nuances of the clinic with children at subjectivation risk, generically named as severe infantile psychopathologies. By approaching the processes that engender the infans speech emissions, we discerned the first modes of testifying hers/his affectation by language. We searched for Freuds conception regarding the genesis of the relation between the neonate and language. We then verified that the father of psychoanalysis would allow us to suppose that, albeit submersed in the symbolic field, the infans does not initially dispose of a mental apparatus that would enable her/him to discretize, articulate and register the unities of language in conformity to the shared language. Inconsidering, with Lacan, that language is inoculated by the primordial Other, we perscrutated the logical moments of jouissance, angst and desire traversed by the child, from the transitivistic relation to the moments of extraction of the instinctual objects (objects a: oral, anal, gaze and voice). Still, we basted the specter of incidence of the lack of satisfaction constitutive of the subject: deprivation (real), frustration (imaginary) and castration (symbolic). We then supposed that, firstly, the subject would be apprehended by a sonorous block, privileged solely through a jouissance fruition, still without any communication function. Freud designated this inaugural functioning mode as pleasure of the nonsense, in which the assonance preponderates. It is the first intervention of language, established by Lacan through the term lalangue, pure nonsense. As original equivoque, lalangue will reverberate in all forms of saying, setting up the structural misunderstanding between thespeaking beings. Furthermore, the notion of holophrase was used by Lacan to designate the frozen signifiers stackings, that is, non-discretized signifiers. Lalangue and holophrase embrace childrens ways of verbalizing, which, despite still being located externally to speech, attest modes of language resonance in the body. Piercing or compressing the signifier chain, both these vocalizations reveal the symbolic extension in which the subject can transit. Lastly, one ponders that, by recognizing in our clinical operations the edges and fringes that testify the resonance of language in the subject, the object voice is at stake. We would, thus, find modalizations susceptible of unfolding some distance between language and subject, which is indispensable for the subject to be able to mediate, through language, the orientation of hers/his desire.
Subject: Psicopatologia infantil
Crianças Linguagem
Psicologia
language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
Publisher Initials: UFMG
Rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-AU3L4W
Issue Date: 23-Feb-2017
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

Admin Tools