Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-B2XPCF
metadata.dc.type: Dissertação de Mestrado
Title: Mulheres que perderam filhos: um estudo sobre identidade e maternidade
metadata.dc.creator: Eder Luiz Nogueira
metadata.dc.contributor.advisor1: Adriano Roberto Afonso do Nascimento
metadata.dc.contributor.referee1: Sonia Regina Correa Lages
metadata.dc.contributor.referee2: Maria Cristina Smith Menandro
metadata.dc.description.resumo: A maternidade, naturalmente associada ao corpo feminino, tem consequências que não estão limitadas à função biológica da reprodução. Além de abrigar em si a gestação do futuro bebê, a mulher, em muitas sociedades, deverá se responsabilizar pelos cuidados com a criança, oferecer conforto e proporcionar as condições necessárias ao seu desenvolvimento físico, moral e intelectual. Para muitos autores, a maternidade exerce influência fundamental na construção da identidade feminina em função das representações sociais que relacionam maternidade à plenitude da mulher, aos cuidados e proteção dos filhos. Orientado por teorias e pesquisas sobre identidade, maternidade e morte, este trabalho investigou as construções sociais da maternidade em mulheres que perderam filhos por morte violenta ou acidental e seu impacto sobre a identidade. Para tanto, foram realizadas entrevistas individuais por meio de um roteiro semiestruturado com sete mães cujos filhos morreram nestas condições. As informações originadas a partir das entrevistas foram submetidas à metodologia de perspectiva fenomenológica para investigação psicológica que, depois de organizadas em estruturas narrativas, forneceram-nos elementos para a compreensão do fenômeno investigado. As mães entrevistadas apresentaram narrativas que atribuem às mulheres o desempenho de atividades prioritariamente relacionadas ao cuidado com o filho, responsabilidades pela sua formação moral e sucesso na vida social, o que revelou uma identidade estreitamente vinculada aos papéis tradicionais de mãe. Os resultados destacaram que o tratamento dado ao tema morte na atualidade, associado às construções sociais da maternidade, constituíram nas narrativas das mães entrevistadas elementos que acentuam o sofrimento, sentimentos de inadequação social e dificuldades para socializar e demonstrar publicamente o pesar pela perda do filho. A pesquisa evidenciou que ao resgatarem as memórias relativas aos filhos que morreram, o grupo de mulheres que participou da investigação atribui a eles qualidades sociais desejáveis, o que sugere a necessidade de preservarem a imagem de boas mães, mesmo após a morte do filho. O evento trágico e violento que vitimou os filhos, conforme as narrativas das mães, contrariou às suas expectativas de que morreriam antes deles, o que causou sentimentos de impotência. Para enfrentar a falta, a saudade e homenagear a memória dos filhos que morreram, o grupo de mães entrevistado optou por mantê-los vivos em suas lembranças ao preservarem fotos, a disposição dos espaços que ocuparam ou objetos que lhes pertenceram para que não sejam esquecidos por elas
Abstract: Motherhood which is a state naturally associated with the female body has consequences that are not limited to the biological function of reproduction. In many societies women must take responsibility for child care, comfort and provide the necessary conditions for their physical, moral and intellectual development in addition to protect the gestation of the future baby. For many authors, motherhood has a fundamental influence in the construction of female identity in terms of social representations which relate motherhood to women` fullness as well as care and protection of children. Guided by theories and research on identity, motherhood and death, this study investigated the social constructions of motherhood in women who have lost their children under violent or accidental circumstances and its impact on their identity. To this end, a semi-structured interview was carried out individually to seven mothers whose children died under these conditions. The data collected were analyzed through the phenomenological perspective of psychological research. They provided the information for the phenomenon comprehension after their organization into narrative structures. The mothers presented narratives that place women in activities related primarily to child care, responsibilities for its moral formation and success in social life, which revealed an identity closely tied to traditional roles of mother. The results highlighted that the treatment of the topic of death nowadays in association with social constructions of motherhood consisted in elements that accentuate the suffering, feelings of social inadequacy and difficulties to socialize and publicly demonstrate sympathy for the loss of the son in mothers narratives. The research found that the redeeming memories for the children who died provide them desirable social qualities which suggest the need of the mothers to preserve the image of good mothers, even after their son`s death. The violent and tragic event that killed the children went against the mothers expectations that they would die before them, which caused feelings of powerlessness. To deal with missing, longing and to honor the memory of the children who died, the group of mothers chose to keep them alive in their memories by preserving photos, layouts of spaces they have occupied before and their objects so they are not forgotten
metadata.dc.subject.other: Morte
Identidade social
Psicologia social
Maternidade
Psicologia
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-B2XPCF
Issue Date: 26-Sep-2011
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
disserta__o_de_mestrado_eder_luiz_nogueira.pdf1.09 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

Admin Tools