Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/GCPA-86AK6A
metadata.dc.type: Dissertação de Mestrado
Title: Acesso e utilização dos serviços de saúde de atenção primária em população rural do município de Jequitinhonha, Minas Gerais
metadata.dc.creator: Ed Wilson Rodrigues Vieira
metadata.dc.contributor.advisor1: Andrea Gazzinelli
metadata.dc.contributor.referee1: Zélia Maria Profeta da Luz
metadata.dc.contributor.referee2: Deborah Carvalho Malta
metadata.dc.description.resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar o acesso e a utilização dos serviços de Atenção Primária a Saúde (APS) em população rural no município de Jequitinhonha, Minas Gerais. Foram realizadas entrevistas com todos os 190 indivíduos com 18 anos ou mais de idade residentes no povoado do Caju para obter informações socioeconômicas, demográficas e sobre as necessidades de saúde, acesso e utilização dos serviços de saúde. A análise dos dados foi feita utilizando o teste Qui-quadrado de Pearson, odds ratio com Intervalo de Confiança de 95% e regressão logística. Os resultados mostraram que a maioria dos indivíduos não possui um serviço de saúde de uso regular. Apesar disso, 65,8% dos entrevistados relataram ter realizado pelo menos uma consulta com profissional de saúde no período de 12 meses anteriores à entrevista, principalmente as mulheres (OR 3,55; IC 1,85 6,79) e aqueles que consideraram seu estado de saúde deficiente (OR 2,03; IC 1,01-4,08). Foi encontrada uma taxa de internação hospitalar durante o ano relativamente alta (11,6%), que pode ter sido resultado de problemas no acesso aos serviços de APS. Em geral, os que procuraram o hospital foram principalmente aqueles que receberam algum tipo de ajuda (OR 3,07; IC 1,18 - 8,00) e que consideraram seu estado de saúde deficiente (OR 3,04; IC 1,16 7,98). Quanto à utilização, 31,6% dos indivíduos utilizaram algum serviço de saúde nos últimos 30 dias anteriores a entrevista, principalmente os que possuíam quatro ou mais eletrodomésticos em casa (OR 5,72; IC 1,23 26,54) e os portadores de hipertensão (OR 19,91; IC 8,02 49,41). Os motivos que determinaram a última utilização foram principalmente a busca por medicamentos (46,7%) e a presença de queixas ou sintomas de doenças (23,3%) sendo o serviço mais utilizado o posto de saúde do Caju (75,0%). Se não considerarmos as utilizações relacionadas à busca de medicamentos, a taxa de utilização cai para 15,8% e apenas a presença de restrições de atividades habituais mostra-se associada com a utilização (OR 3,84; IC 1,53 9,74). A maioria dos indivíduos foi atendida na primeira vez que procurou o serviço (92,3%), no entanto, quase 40,0% daqueles que tiveram medicamentos prescritos no último atendimento ou foram apenas buscá-los com prescrições anteriores não os receberam gratuitamente. Tendo em vista a localização do Centro de Saúde local, o deslocamento até os serviços foi principalmente a caminhada de até 30 minutos e o uso de transporte coletivo para os serviços de saúde de Jequitinhonha ou outro município. Das pessoas estudadas, 33,7% não procurou os serviços de saúde, embora tenham percebido necessidades, apontando em geral problemas como a não disponibilidade de profissional para o atendimento, sendo que, 8,0% dos que procuraram não foram atendidos. Concluindo, não foram observadas iniqüidades no acesso e utilização dos serviços de saúde entre a população estudada. Entretanto não foi garantido efetivamente o acesso aos serviços de saúde nem a utilização próxima do domicílio. Recomenda-se a ampliação da oferta e adaptação dos serviços de APS às especificidades geográficas e socioeconômicas dessa população, facilitando o acesso e conseqüentemente a utilização.
Abstract: O objetivo deste estudo foi avaliar o acesso e a utilização dos serviços de Atenção Primária a Saúde (APS) em população rural no município de Jequitinhonha, Minas Gerais. Foram realizadas entrevistas com todos os 190 indivíduos com 18 anos ou mais de idade residentes no povoado do Caju para obter informações socioeconômicas, demográficas e sobre as necessidades de saúde, acesso e utilização dos serviços de saúde. A análise dos dados foi feita utilizando o teste Qui-quadrado de Pearson, odds ratio com Intervalo de Confiança de 95% e regressão logística. Os resultados mostraram que a maioria dos indivíduos não possui um serviço de saúde de uso regular. Apesar disso, 65,8% dos entrevistados relataram ter realizado pelo menos uma consulta com profissional de saúde no período de 12 meses anteriores à entrevista, principalmente as mulheres (OR 3,55; IC 1,85 6,79) e aqueles que consideraram seu estado de saúde deficiente (OR 2,03; IC 1,01-4,08). Foi encontrada uma taxa de internação hospitalar durante o ano relativamente alta (11,6%), que pode ter sido resultado de problemas no acesso aos serviços de APS. Em geral, os que procuraram o hospital foram principalmente aqueles que receberam algum tipo de ajuda (OR 3,07; IC 1,18 - 8,00) e que consideraram seu estado de saúde deficiente (OR 3,04; IC 1,16 7,98). Quanto à utilização, 31,6% dos indivíduos utilizaram algum serviço de saúde nos últimos 30 dias anteriores a entrevista, principalmente os que possuíam quatro ou mais eletrodomésticos em casa (OR 5,72; IC 1,23 26,54) e os portadores de hipertensão (OR 19,91; IC 8,02 49,41). Os motivos que determinaram a última utilização foram principalmente a busca por medicamentos (46,7%) e a presença de queixas ou sintomas de doenças (23,3%) sendo o serviço mais utilizado o posto de saúde do Caju (75,0%). Se não considerarmos as utilizações relacionadas à busca de medicamentos, a taxa de utilização cai para 15,8% e apenas a presença de restrições de atividades habituais mostra-se associada com a utilização (OR 3,84; IC 1,53 9,74). A maioria dos indivíduos foi atendida na primeira vez que procurou o serviço (92,3%), no entanto, quase 40,0% daqueles que tiveram medicamentos prescritos no último atendimento ou foram apenas buscá-los com prescrições anteriores não os receberam gratuitamente. Tendo em vista a localização do Centro de Saúde local, o deslocamento até os serviços foi principalmente a caminhada de até 30 minutos e o uso de transporte coletivo para os serviços de saúde de Jequitinhonha ou outro município. Das pessoas estudadas, 33,7% não procurou os serviços de saúde, embora tenham percebido necessidades, apontando em geral problemas como a não disponibilidade de profissional para o atendimento, sendo que, 8,0% dos que procuraram não foram atendidos. Concluindo, não foram observadas iniqüidades no acesso e utilização dos serviços de saúde entre a população estudada. Entretanto não foi garantido efetivamente o acesso aos serviços de saúde nem a utilização próxima do domicílio. Recomenda-se a ampliação da oferta e adaptação dos serviços de APS às especificidades geográficas e socioeconômicas dessa população, facilitando o acesso e conseqüentemente a utilização.
metadata.dc.subject.other: Acesso aos Serviços de Saúde
Brasil
Humanos
Fatores Socioeconômicos
Enfermagem
Pesquisa Qualitativa
Questionários
Atenção Primária à Saúde/utilização
População Rural DeCs
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/GCPA-86AK6A
Issue Date: 17-May-2010
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ed_wilson_rodrigues_vieira.pdf1.19 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.