Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/SMOC-7PBJQM
metadata.dc.type: Tese de Doutorado
Title: Farmacogenética da esquizofrenia
metadata.dc.creator: Renan Pedra de Souza
metadata.dc.contributor.advisor1: Marco Aurelio Romano Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Luiz Armando Cunha De Marco
metadata.dc.contributor.referee2: Debora Marques de Miranda
metadata.dc.contributor.referee3: FELIPE DAL PIZZOL
metadata.dc.contributor.referee4: Beatriz Santana Soares
metadata.dc.description.resumo: Conhecidos há aproximadamente 2500 anos, os transtornos do humor continuam a dominar o interesse da saúde pública. Cerca de 5% dos pacientes depressivos não respondem a qualquer medida farmacológica e/ou psicoterápica. Para esses pacientes, a eletroconvulsoterapia (ECT) constitui uma importante oportunidade de melhora. Indução de convulsões na forma de ECT tem sido usada no tratamento de desordens psiquiátricas por mais de 60 anos. As principais indicações diagnósticas incluem depressão, mania, catatonia e esquizofrenia. Devido às dificuldades na identificação dos mecanismos de ação da ECT, têm-se usado a estimulação eletroconvulsiva (EEC) aplicada experimentalmente a animais com o intuito de obter dados que contribuam para explicar alguns efeitos terapêuticos da ECT. Há relatados de alteração nos níveis das proteínas DARPP-32 (fosfoproteína regulada por AMPc e dopamina) e NCS-1 (sensora neuronal de cálcio 1) em pacientes com transtornos neuropsiquiátricos. Neste trabalho foram avaliados os níveis de expressão das proteínas DARPP-32 e NCS-1 em quatro regiões cerebrais (striatum, córtex, hipocampo e cerebelo) de ratos submetidos ao choque eletroconvulsivo agudo e crônico. A estimulação eletroconvulsiva aguda gerou aumento na expressão de DARPP-32 no córtex. É interessante notar que nessa área as alterações foram observadas logo após a realização do estímulo e após 24 horas sendo essa sustentada até às 48 horas. Nas outras áres avaliadas (striatum, hipocampo e cerebelo) não foram observadas alterações significativas. Tais achados corroboram a ausência de eficácia dessa terapêutica de modo agudo usualmente. A estimulação crônica provocou alterações significativas em todas as áreas estudadas, o que está de acordo com a utilização de repetidas sessões desta técnica na clínica. A estimulação eletroconvulsiva aguda gerou somente alterações pontuais nos níveis de NCS-1 no córtex (diminuição em 48 horas), hipocampo (diminuição em 03 horas) e cerebelo (aumento em 3 horas). A estimulação crônica gerou modificações importantes no striatum e córtex, cerebelo. No striatum, aumento é notado logo após do último estímulo e a partir de 03 horas até às 24 horas. No córtex e cerebelo, o aumento é evidente de 12 horas até às 48 horas. Tais dados, assim como os obtidos para DARPP-32, mostram uma maior eficiência da terapia crônica em relação à aguda e uma dinâmica temporal que favorece a aplicação da técnica num intervalo de 2-3 dias (tempo pelo qual manteve-se os níveis elevados das proteínas).
metadata.dc.subject.other: Esquizofrenia
Farmacogenética
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/SMOC-7PBJQM
Issue Date: 1-Jan-2009
Appears in Collections:Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_renan_pedra_de_souza.pdf3.18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.