Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/36628
Type: Artigo de Evento
Title: Natureza urbana e produção do comum : Grupo Indisciplinar: método, ativismo e tecnopolítica na defesa dos bens comuns urbanos
Authors: Marcela Silviano Brandão Lopes
Luciana Souza Bragança
Natacha Silva Araújo Rena
Ana Isabel Anastasia de Sá
Abstract: Esse artigo pretende fazer uma aproximação entre as pautas de três movimentos de luta e resistência urbana da atualidade: Preservação da Natureza, Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural e Direito à Moradia Digna para todos os cidadãos. A unificação dessas pautas se apoia e se justifica pela busca de uma cidade mais justa e focada nos anseios de sua população. Todos esses movimentos têm como opositor a voracidade do capital imobiliário, que, de maneira recorrente, cria justificativas e estratégias para priorização de políticas que excluem e ignoram tanto o verde, quanto a cultura não rentável, como também qualquer possibilidade de moradia para os pobres que, de fato, seja inserida na cidade. É possível identificar a intensificação dos movimentos contra os processos de urbanização neoliberal no Brasil. Porém, mesmo com toda a potência dessas lutas, tais movimentos costumam atuar de forma independente, e em diversas ocasiões são colocados em lados opostos, como se a questão ambiental, por exemplo, fosse antagônica à pauta social ou à cultural, e viceversa. Mesmo que em alguns momentos haja fronteiras delicadas e conflitos de interesses, a separação e o antagonismo entre esses movimentos são de grande valia aos interesses do capital. Tendo esse entendimento como premissa, as autoras desse artigo, pesquisadoras do grupo INDISCIPLINAR, organizaram um seminário, para que alguns representantes desses movimentos pudessem trocar experiências e hibridar suas pautas. Nesse encontro, ficou claro que vários dos impasses mencionados são muito similares, como também várias das estratégias adotadas são muito semelhantes. Concluiu-se, então, que sistematizar os desafios e os avanços permitirá a potencialização do que já se faz de positivo e possibilitará a ativação de nossas táticas para romper as barreiras que ainda se encontram nos caminhos. Por fim, uma difícil questão permanece como desafio a ser enfrentado: como construir processos autônomos e autogestionários sem perder o apoio necessário do Estado?
Subject: Planejamento urbano
Política urbana - Aspectos tecnológicos
Direito à moradia
Patrimônio cultural - Proteção
language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
Publisher Initials: UFMG
metadata.dc.publisher.department: ARQ - DEPARTAMENTO DE ANÁLISE CRÍTICA E HISTÓRICA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO
ARQ - DEPARTAMENTO DE PROJETOS
Rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/36628
Issue Date: Jul-2016
Appears in Collections:Artigo de Evento



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.