Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-AAQEY6
metadata.dc.type: Dissertação de Mestrado
Title: A simplicidade como critério de hipóteses científicas: a abordagem naturalista de W. V. O. Quine
metadata.dc.creator: Acrissio Luiz Goncalves
metadata.dc.contributor.advisor1: Mauro Luiz Engelmann
metadata.dc.contributor.referee1: Antonio Mariano Nogueira Coelho
metadata.dc.contributor.referee2: Rogério Passos Severo
metadata.dc.description.resumo: Na presente dissertação, tivemos como objetivo apresentar o tratamento dado por W. V. O. Quine ao problema da simplicidade das hipóteses científicas. Fundamentalmente, o problema de justificar a escolha de uma hipótese ou teoria científica a partir da determinação (comparativa) da simplicidade de suas postulações/afirmações. Buscamos compreender as explicações elaboradas por Quine para a adoção da simplicidade como um critério-chave para a avaliação de hipóteses rivais, além de discutir as definições e os métodos por ele apresentados para a mensuração da simplicidade. No primeiro capítulo, apresentamos os aspectos gerais do pensamento filosófico de Quine, com destaque especial para as posições que constituem o cerne de seu sistema filosófico e que servem de base ao tratamento do problema da simplicidade: isto é, o naturalismo e o holismo. No segundo capítulo, apresentamos uma resposta parcial para a questão sobre como avaliamos uma dada hipótese ou teoria científica, abordando os critérios dos quais nos servimos para essa avaliação, a saber: precisão, conservadorismo, modéstia, generalidade, refutabilidade e simplicidade. Por fim, no terceiro capítulo, argumentamos que a postura pragmática adotada por Quine dissolve a fronteira entre as explicações epistêmicas e as explicações pragmáticas para a adoção da simplicidade, na prática científica. Além disso, seguindo o seu naturalismo, discutimos diversas explicações neurobiológicas para a nossa propensão à simplicidade, as quais ressaltam a seletividade do aparato perceptivo e conceitual humano, inclinado ao reconhecimento de padrões simples, em detrimento dos complexos.
Abstract: My aim in this dissertation is to discuss Quines understanding of the problem of simplicity of scientific hypotheses, i.e., the problem of justifying the choice of a hypothesis or scientific theory based on the (comparative) determination of simplicity of his postulates/statements. I argue that simplicity is justified simply because it is strongly rooted in scientific practice. In the first chapter, I present the general aspects of Quines philosophical thought, highlighting positions which constitute the core of his philosophical system and that serve as a basis to the treatment of the issue of simplicity, i.e., naturalism and holism. In the second chapter, I present a partial answer to the question regarding how we evaluate a given hypothesis or scientific theory, approaching the criteria from which we made use for such an evaluation, viz.: precision, conservatism, modesty, generality, refutability and simplicity. In the third chapter, I evaluate Quines naturalistic defense of simplicity grounded in several neurobiological explanations for our propensity to simplicity. I maintain that the pragmatic posture Quine adopts dissolves the border between epistemic and pragmatic explanations for the adoption of simplicity in the scientific praxis.
metadata.dc.subject.other: Pragmatismo
Quine, W V (Willard Van Orman), 1908-2000
Simplicidade
Naturalismo
Filosofia
Holismo
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-AAQEY6
Issue Date: 19-Feb-2016
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
a_simplicidade_como_crit_rio_de_hip_teses_cient_ficas.pdf1.37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.