Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1843/ECJS-84JHNP
metadata.dc.type: Dissertação de Mestrado
Title: Transtornos mentais e qualidade de vida em crianças e adolescentes com doença renal crônica e em seus cuidadores
metadata.dc.creator: Renata Cristiane Marciano
metadata.dc.contributor.advisor1: Eduardo Araujo de Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Humberto Correa da Silva Filho
metadata.dc.contributor.referee1: Jose Raimundo da Silva Lippi
metadata.dc.contributor.referee2: Cristina Maria Bouissou Morais Soares
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho avaliou a prevalência de transtornos mentais e a qualidade de vida de crianças e adolescentes com Doença Renal Crônica (DRC) e de seus cuidadores e relacionou estes eventos a características clínicas e sócio-econômicas da amostra, além do tipo de tratamento. Trata-se de um estudo transversal, cujos participantes foram pacientes pediátricos com DRC em diferentes modalidades terapêuticas- tratamento conservador, dialítico e transplante assistidos regularmente na Unidade de Nefrologia Pediátrica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Para estimar a prevalência de transtornos mentais e a qualidade de vida dos pacientes, foram aplicados o Questionário de Habilidades e Dificuldades, Strenghts and Difficultties Questionnaire (SDQ) e o Questionário Pediátrico de Qualidade de Vida ( Peds QL), respectivamente. Para avaliar a saúde mental dos cuidadores, optou-se por aplicar a Escala de Depressão de Beck. Além disso, a qualidade de vida dos cuidadores foi mensurada pelo o instrumento da Organização Mundial de Saúde na sua versão abreviada- o WHOQOL-bref. Padronizou-se também um instrumento para caracterizar a amostra em suas características sócio-demográficas e econômicas. Mediante consulta em prontuário foram colhidos dados referentes ao controle clínico. Foi observada elevada prevalência de transtornos mentais e comprometimento da qualidade de vida dos pacientes. Os cuidadores exibiram elevados índices de sintomas depressivos e alterações de qualidade de vida nos domínios social e ambiental. Contudo, não foram percebidas diferenças estatisticamente significativas entre as modalidades terapêuticas. O presente estudo evidenciou as inúmeras conseqüências emocionais e sociais da DRC e de seu tratamento nos pacientes e em seus cuidadores. A compreensão das repercussões psicossociais e a tentativa de minimizá-las podem amenizar o impacto da doença renal no paciente e em sua família. Este cuidado mais adequado, completo e humanizado resulta na melhora da adesão e do controle clínico.
metadata.dc.subject.other: Falência renal crônica
Humanização da assistência
Cuidadores
Qualidade de vida
Estudos transversais
Transtornos mentais
Criança
Adolescente
Pediatria
metadata.dc.language: Português
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
metadata.dc.publisher.initials: UFMG
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/1843/ECJS-84JHNP
Issue Date: 17-Sep-2009
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File SizeFormat 
renata_cristiane_marciano.pdf832.14 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.